Por Everlando Mathias
12/02/2019 - 08:58:55 - atualizado em 12/02/2019 às 09:07:00

Carreta do Câncer: prefeitos e gestores de Saúde discutem formatação da assinatura de protocolo de intenções

02

Durante a tarde desta segunda-feira (11), prefeitos e gestores de Saúde dos municípios do estado do Amapá discutiram a formatação da assinatura de protocolo de intenções, que será assinada pela direção do Hospital de Amor e prefeituras, que irão receber a Carreta do Câncer. O encontro, realizado no plenário provisório da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap), no Centro de Convecções João Batista Picanço, foi presidido pelo deputado Jaci Amanajás (MDB).

Dr. Raphael Luiz Haikel Júnior, responsável pelas unidades do Hospital de Amor na região Norte e carretas do câncer, e Elpídio Amanajás, representante da Alap em Brasília, definiram a programação de atendimento nos municípios. Elpídio lembrou da luta para a implantação da unidade de Barretos no estado do Amapá, que teve início há mais de uma década. "A chegada dessa carreta é mais uma etapa vencida e precisamos da integração dos municípios, que sofrem com a carência dos exames básicos", destacou.

O ex-deputado federal Marcos Reátegui, que abraçou a luta para a construção da unidade avançada do Hospital de Amor no estado, que foi inaugurada em dezembro do ano passado, mas que ainda não está aberta para atendimentos, participou do evento e citou que a obra do hospital em Macapá só foi possível graças às emendas destinadas pela bancada federal do Amapá em Brasília. "O futuro mostrará que valeu a pena", frisou.

O prefeito do município de Amapá, Carlos Sampaio (PMN), citou a importância do evento para a saúde no Amapá. "Sozinho não podemos resolver nada", destacou, elogiando o desempenho dos parlamentares amapaenses em Brasília. Representando a Câmara Municipal de Macapá (CMM), a vereadora Patriciana Guimarães (PRB), disse estar feliz em poder fazer parte desse processo em prol da população.

Dr. Raphael Luiz Haikel Júnior expôs aos prefeitos e gestores de Saúde o projeto de atendimento feito pela carreta e a importância para a população dos municípios, onde o acolhimento praticamente não existe, e quanto ao diagnóstico precoce do câncer, principalmente nas mulheres. O veículo foi adaptado e dispõe de equipamentos com tecnologia de ponta, com capacidade para fazer cerca de 60 mamografias e 70 exames Preventivo do Câncer de Colo Uterino (PCCU), popularmente conhecido como Papanicolau, dentro da faixa etária preconizada pelo Ministério da Saúde.

Segundo o médico, a chegada da unidade móvel é uma importante etapa para mudar a história da doença no Amapá. "A chegada da carreta representa mais uma nota deste projeto trabalhado junto ao governo para mudar a história do câncer no Amapá", ressaltou Haikel. A estimativa é que a unidade móvel do Instituto de Prevenção Hospital de Amor faça uma média de 130 atendimentos por dia, entre exames para o rastreamento do câncer de mama em mulheres na faixa etária de 40 a 69 anos, e o de colo de útero em mulheres entre 25 a 64 anos, considerados o de maior incidência no Amapá.

De acordo com Haikel Júnior, um câncer de mama, quando descoberto na fase inicial, tem um tempo médio de tratamento de seis meses (até que a mulher retome atividades habituais), com chance de cura de 98% e custo hospitalar de R$ 10.500,00. Já quando a doença é descoberta em estágio avançado, as chances de cura caem para 40% e a paciente só consegue voltar às atividades normais em dois anos e meio, com um custo no tratamento de R$ 144.200,00.

Mama e colo de útero representam até 70% dos casos nas unidades de prevenção. No hospital, em Barretos, o índice é de 30%. Todo o projeto, incluindo as unidades fixa e móvel, está orçado em R$ 21,4 milhões. A verba foi articulada pelo Governo do Estado, diretamente com a bancada federal amapaense. Os onze parlamentares destinaram recursos por meio de emendas individuais.


Fotos: Gerson Barbosa

Facebook Twitter Google+ Email Addthis
DEPUTADOS