Por Everlando Mathias
05/11/2019 - 14:52:10 - atualizado em 06/11/2019 às 11:27:36

Lixões dos municípios do Vale do Jari recebem atenção da Comissão de Meio Ambiente da Alap

04

A Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap), que investiga as causas e consequências do uso e permanência dos lixões a céu aberto no Estado, visitou a região do Vale do Jari, sul do Amapá, e verificou in-loco a situação das lixeiras públicas nos municípios de Laranjal e Vitória do Jari.

Nos dois municípios, a comissão reuniu com os prefeitos, secretários de meio ambiente e com a população e discutiram as propostas dos executivos municipais, e o que está sendo planejado para dar um tratamento adequado ao lixo produzido diariamente nos municípios.

?O lixo é um problema sério, que impacta diretamente na vida da população. A comissão será porta voz dos prefeitos na Assembleia Legislativa, para que possamos junto ao Governo do Estado minimizar ou se possível resolver esse problema?, destacou o presidente da comissão, deputado Dr. Victor (Rede).

A lixeira pública do município de Laranjal do Jari iniciou em 1999, tem 5 hectares e fica próxima da pista do aeródromo, atende 95% da população, que produz diariamente cerca de 30 toneladas de lixo doméstico; carcaças e entulhos.

A área da lixeira é questionada pelos pilotos de avião. ?Uma das maiores dificuldades encontradas hoje pela prefeitura no município em relação ao lixão, é a questão de área. Não temos terra disponível. Uma parte da área é do Estado e a outra da Jari Celulose. Laranjal do Jari fica com apenas 1% desse espaço?, comentou o secretário de Meio Ambiente e Turismo de Laranjal do Jari, Marcelo Sarraf, acrescentando, que a área pertencente ao município não atende a legislação ambiental federal, que determina uma distância acima de 15 km da sede do município, para instalação de lixeira pública, tornando inviável para o município uma nova lixeira pública.

?Estamos pedindo ajuda da Assembleia Legislativa através da comissão de meio ambiente, para buscarmos uma solução para o problema e a criação de um consorcio formado pelos dois municípios para a tratar a destinação do lixo doméstico?, frisou o secretário.

De acordo com o vice-prefeito de Laranjal do Jari, João Tadeu da Silva, irmão Tadeu, existe uma área na divisa dos municípios de Laranjal e Vitória do Jari, que atende as especificações da legislação ambiental federal.

?Quando foi construído o lixão público estava distante mais de 15 quilômetros da sede. Com o crescimento populacional o assentamento Maria de Nazaré Mineiro está praticamente dentro do lixão, distante apenas cinco quilômetros?, observa o vice-prefeito.

O prefeito em exercício do município de Vitória do Jari, José de Assunção Ferreira Câmara, citou que o município enfrenta dificuldades para manter a coleta de lixo domiciliar e acondicionar na lixeira pública, e agradeceu o empenho da Comissão de Meio Ambiente, em buscar solução para o problema.

Os municípios enfrentam problemas com a destinação do lixo doméstico. Algumas lixeiras estão localizadas às margens de igarapés contaminando a água e o lençol freático.

?Tendo em vista que uma cultura de anos não se muda tão rapidamente, mas a importância dos órgãos competentes estarem trabalhando políticas que vai desde a conscientização a oficinas de reciclagem envolvendo toda a sociedade é de extrema importância para mudarmos a questão da degradação ambiental?, comentou o vice-presidente da comissão, deputado Oliveira Santos.

Para a deputada Telma Gurgel (Podemos), o empenho de todos os órgãos competentes, como governo federal, estadual e municipal sem a preocupação de bandeira partidária, haverá condições de deixar para as futuras gerações uma nova mentalidade, consciente e responsável.

Os membros da comissão conheceram de perto o trabalho de confecção de artesanatos, realizado por alunos da Escola Estadual Professora Sônia Henriques Barretos, no município de Laranjal do Jari, com garrafas pets, retiradas do lixo.


Fotos: Iranilson Soeiro

Facebook Twitter Google+ Email Addthis
DEPUTADOS