Por Everlando Mathias
02/03/2020 - 16:24:29 - atualizado em 11/03/2020 às 09:26:24

Lei Maria da Penha será tema de concurso de vídeo nas escolas públicas do Amapá

04

Em alusão ao 14º aniversário da Lei Maria da Penha, a Procuradoria da Mulher e a Frente Parlamentar de Combate ao Feminicídio e Prevenção da Violência Doméstica, da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap), realizarão no dia 31 deste mês, com apoio da Secretaria Estadual de Educação (Seed), o lançamento do edital do primeiro concurso de vídeo com o tema: Lei Maria da Penha, que acontecerá nos moldes do evento já realizado pela Câmara Federal.

Os detalhes do concurso que envolverá alunos da rede estadual de ensino, foram definidos em reunião realizada na manhã desta segunda-feira (02/3/2020) no gabinete da secretaria estadual de Educação, Maria Goreth da Silva e Sousa.

Lideradas pela deputada Cristina Almeida (PSB), as parlamentares Edna Auzier (PSD), Allinny Serrão (Dem) e Aldilene Souza (PPL), entregaram a proposta a secretaria, que abraçou a causa. ?Estamos felizes com essa parceria, que vai fortalecer ainda mais um trabalho de promoção da cidadania, da paz e respeito dentro das escolas?, frisou Goreth Sousa.

Para a coordenadora da Frente, deputada Cristina Almeida, a meta é dar continuidade do trabalho de educação: educar para prevenir e educar para combater o feminicídio e redução da violência doméstica. ?A proposta deste vídeo é fazer que os alunos possam compreender a Lei Maria da Penha e realmente utilizar a tecnologia a favor desse aluno?, destacou a deputada Cristina Almeida.

Uma vasta programação será desenvolvida até o mês de maio, durante as datas comemorativas, com destaque para o lançamento da pedra fundamental da casa da Mulher Brasileira, no Estado do Amapá, roda de conversas com as mulheres das entidades voltadas para os casos da mulher negra e indígena e abordar o tema: gravidez precoce nas escolas da rede de ensino público do estado e do município.

A lei Maria da Penha completará 14 anos de vigência em 22 de setembro deste ano e o primeiro caso de prisão, com base na lei, foi de um homem que tentou estrangular sua mulher, no Rio de Janeiro. O Brasil foi o 18º país da América Latina a adotar uma legislação para punir agressores de mulheres.

A lei será tema de um concurso de redação promovido pela Procuradoria da Mulher e a Frente Parlamentar de Combate ao Feminicídio e Prevenção da Violência Doméstica, da Alap, em parceria com a Secretaria Estadual de Educação. A meta é estimular a leitura da lei e incentivar a discussão sobre a violência contra a mulher entre jovens?, comentou a deputada Edna Auzier.

Fotos: Gerson Barbosa

Facebook Twitter Google+ Email Addthis
DEPUTADOS