Por Emerson Renon
24/06/2020 - 18:56:15 - atualizado em 01/07/2020 às 21:00:14

Assembleia Legislativa adere a "Campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica"

08

A Assembleia Legislativa, por meio da Procuradoria Especial da Mulher e a Frente Parlamentar de Combate à Violência Contra a Mulher e Redução do Feminicídio da Assembleia Legislativa, une-se à "Campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica", do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Associação dos Magistrados Brasileiros.

O Amapá abraçou esta importante ação com a realização de Webinário Estadual, no próximo dia 30 de julho, às 11h e pode ser acompanhado pelo canal do TJAP, no YouTube. Toda a metodologia de como irá acontecer, foi debatida na tarde desta quarta-feira (24/6/2020), em videoconferência organizada pelo Tribunal de Justiça.

A deputada Cristina Almeida (PSB), representou o presidente do Legislativo, deputado Kaká Barbosa (PL). A parlamentar foi acompanhada das legisladoras Aldilene Souza (PPL) e Edna Auzier (PSD). O encontro vitual contou ainda com a participação do desembargador Carmo Antônio, da juíza Elaine Cantuária, da Procuradora-Geral de Justiça, Ivana Cei, além de defensoras públicas e vereadores.

A campanha oferece um canal silêncio de denúncia à vítima. O "X" amplia, cada vez mais, as possibilidades de denúncia e fortalecer a certeza de que estes crimes não vão ficar impunes. E as farmácias passam ser esse novo elo. Quando chegar à farmácia, a mulher pode mostrar ao atendente a palma da mão sinalizada com um "X" escrito com batom ou outro material ou ainda em um pedaço de papel. O atendente deve anotar o nome, endereço e telefone da vítima e informar à Polícia Militar.

Com a quarentena e o isolamento social por causa do novo coronavírus, muitas vítimas de violência podem estar com dificuldades de denunciarem até por estarem 24 horas com os seus companheiros. Além das pessoas em casa, a limitação do serviço de transporte pode dificultar essas denúncias.

Em Macapá, as três grandes redes de farmácias aderiram. Para identificar, basta visualizar o cartaz com o "X" na área externa da farmácia.

A denúncia, também, pode ser feita de forma anônima pelo 190 (Polícia Militar), pelo 180 (número nacional) e pelo 181 (Polícia Civil). Outra maneira é pelo boletim on-line, feito no site "policiacivil.ap.gov.br". No endereço virtual ainda é possível solicitar um pedido de medida protetiva de urgência.

Foto: Ascom TJAP

Facebook Twitter Google+ Email Addthis
DEPUTADOS