Por Eloisy Santos - Ascom Dep. Marilia
31/08/2020 - 14:19:24 - atualizado em 31/08/2020 às 17:34:26

Marilia Góes requer implantação de ferramenta de Comunicação Alternativa no atendimento aos usuários da rede estadual de saúde

21

Através do Requerimento nº 0621/20 AL, a deputada estadual Marilia Góes solicitou ao Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a implementação de uma prancha de Comunicação Alternativa (CA) nas unidades de saúde estaduais. A ferramenta deve ser usada para atendimento de pacientes com dificuldades de fala ? como indivíduos com autismo, pessoas com deficiência, e/ou acometidas pela COVID-19 que estejam fazendo uso de ventiladores mecânicos ou outros procedimentos que limitam a comunicação oral.

A parlamentar pontuou que o mecanismo já é utilizado em outras regiões do país, de forma exitosa. A prancha de Comunicação Alternativa foi desenvolvida por uma equipe multidisciplinar da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Trata-se de uma ferramenta de baixo custo, possui ilustrações que indicam afirmações, negações, estado e necessidades, como: "sim", "não", "não sei". "Bem", "falta de ar", "cansaço", "náusea", "fome", "sede". "Chamar médico", "chamar família", "ajuda", entre outros. As figuras foram separadas em categorias, baseadas na teoria das necessidades humanas de Wanda Horta (enfermeira que introduziu os conceitos da enfermagem que são aceitos no país).

Marilia Góes observou que, no atual contexto hospitalar, um número significativo de pacientes acometidos pela Covid-19, apresentam síndrome respiratória aguda grave 2, e necessitam de cuidados de saúde que lhes deixam temporariamente ou permanentemente impossibilitados de se comunicar, dada a gravidade dos sintomas. Essa condição dificulta sua relação com os profissionais de saúde e familiares, o atendimento de suas necessidades básicas e gera dificuldades diagnósticas.

A parlamentar registrou ainda, que essa realidade transparece as barreiras já enfrentadas por pessoas com deficiência auditiva e/ou de fala, que tendem a ficar frustradas, nervosas e deprimidas quando não recebem o atendimento adequado.

"Pensando no bem-estar desses cidadãos com dificuldade de comunicação temporária ou permanente, e em ofertar assistência em saúde de forma mais humanizada e eficaz, é que requeri ao Estado aplicar o uso da prancha de comunicação alternativa na rede pública de saúde do Amapá, contribuindo para que o paciente consiga se expressar, e prezando que o profissional de saúde melhor compreenda e proceda com o devido tratamento, cuidado e medicação ao usuário do sistema", finalizou a deputada Marilia Góes.

Fotos: Ruan Alves - Ascom Dep. Marilia Góes

Facebook Twitter Google+ Email Addthis
DEPUTADOS